Cinefilia - UOL Blog
Um Bom Argumento

Como discordar?

O Novo de Selton Mello

A Sony Pictures liberou o trailer do novo filme de Selton Mello, "Meu Nome Não é Jhonny". Baseado numa história real, o longa conta como o jovem João Guilherme Estrela se tornou o maior traficante da alta sociedade do Rio de Janeiro. O trailer é muito bem produzido e se depender dele o longa surpreenderá. A direção é de Mauro Lima e no elenco Cléo Pires, Julia Lemmertz e Cássia Kiss. Confira.


From Crackle: Trailer Meu Nome nao e Johnny 

"Meu Nome Não é Jhonny" estréia em janeiro de 2008.

Filmes de Tom Cruise

Top Gun: Tom Cruise é um piloto de avião. Ele é muito bom, mas um trauma o impede de ser o melhor. Ele se apaixona por uma mulher que o ajuda a superar, e no final ele alcança seu objetivo.

Dias de Trovão: Tom Cruise é um piloto de automóveis. Ele é muito bom, mas um trauma o impede de ser o melhor. Ele se apaixona por uma mulher que o ajuda a superar, e no final ele alcança seu objetivo.

Coquetel: Tom Cruise é um barman. Ele é muito bom, mas um trauma o impede de ser o melhor. Ele se apaixona por uma mulher que o ajuda a superar, e no final ele alcança seu objetivo.

Jerry Maguire: Tom cruise é um agente de atletas. Ele é muito bom, mas depois de ser demitido, fica traumatizado, e este trauma o impede de ser o melhor. Ele se apaixona por uma mulher que o ajuda a superar, e no final ele alcança seu objetivo.

Rain Man: Tom cruise é um importador de carros, um empresário. Ele é muito bem-sucedido, mas um trauma o impede de ser feliz. Ele se apaixona por uma mulher encontra seu irmão autista que o ajuda a superar, e no final ele alcança seu objetivo.

Vanilla Sky: Tom Cruise é dono de uma editora. Ele é muito bom, mas um acidente o impede de se manter como o melhor. Ele se apaixona por uma mulher que o ajuda a superar, e no final ele alcança seu objetivo. Mas descobre que é tudo um sonho.

A Cor do Dinheiro: Tom Cruise é jogador de sinuca. Ele é muito bom, mas sua arrogancia o impede de ser o melhor. Até que Paul Newman aparece e o ajuda a superar, e no final ele alcança seu objetivo.

Questão de Honra: Tom Cruise é um advogado. Ele é muito bom, mas um trauma o impede de ser o melhor. Ele se torna amigo de uma outra advogada que ajuda a superar, e no final ele alcança seu objetivo.

Minority Report: Tom Cruise é um policial do futuro. Ele é o melhor, mas uma conspiração o coloca sob suspeita. Ele seqüestra uma paranormal que o ajuda a superar, e no final ele alcança seu objetivo.

De Olhos Bem Fechados: Tom Cruise é um médico. Ele é muito bom, mas depois de ser quase traído pela mulher, fica traumatizado. Ele se mete em orgias e não se dá bem. Isso o ajuda a superar seu trauma, e no final ele volta para a mulher.

A Firma: Tom cruise é um advogado, mas ao cair em uma rede de intrigas proporcionada pelo mega-escritório em que trabalha, adquire um trauma que o impede de se tornar o melhor. Com a ajuda de sua apaixonada esposa, consegue alcançar seu objetivo.

Entrevista com o Vampiro: Tom Cruise é um vampiro fodão. Ele é muito bom, mas a chegada de um novo vampiro o traumatiza, quase matando-o. Ele se apaixona pelo vampiro e no final alcança seu objetivo.

Magnólia: Tom Cruise é um guru de auto-ajuda machista. Ele é muito bom, mas sua arrogância o impede de ser feliz. Ele encontra seu pai no leito de morte e isso o ajuda a superar, e no fim ele descobre a verdadeira felicidade.

Negócio Arriscado:Tom Cruise é um aluno universitário. Ele é muito bom, mas um trauma o impede de ser o melhor. Ele se apaixona por uma prostituta que o ajuda a superar, e no final ele alcança seu objetivo, virando o cafetão de sua própria mulher.

Nascido em 4 de julho: Tom Cruise é um combatente no Vietnã. Ele é muito bom, mas um acidente o impede de se manter como o melhor. Ele se apaixona por uma mulher, e no final ele alcança seu objetivo, mesmo paralítico.

E finalmente…

O Último Samurai: Tom Cruise é um militar contratado para treinar os
japoneses. Ele é muito bom, mas um trauma o impede de se tornar um samurai.
Ele se apaixonada por uma japonesa e no final (adivinhem só?) ele consegue
seu objetivo!

Tirado daqui: Beto Tester

Crítica: Tropa de Elite

            Mostrar mazelas brasileiras sempre foi o forte do cinema nacional – para o bem ou para o mal. Foi assim no Cinema Novo e o mesmo durante a Retomada com filmes como “O Invasor” e “Cidade de Deus”. “Tropa de Elite” (Idem, Brasil, 2007) pode ser considerado filho direto do trabalho de Fernando Meirelles, devido à sua linguagem e temática. Mas o que interessa, antes de tudo, é que o longa é cinema de primeira.

           

            O filme causou grande polêmica recentemente quando uma cópia sua vazou direto da ilha de edição para os camelôs do Rio de Janeiro, onde, estima-se, foi visto por quase 1 milhão de pessoas.  A produção ganhou fama e foi baixado da internet por outro sem número de pessoas, o que não impediu de levar quase 180 mil pessoas aos cinemas no final de semana de estréia apenas na capital carioca e em São Paulo.       

            Mas o burburinho a cerca do primeiro longa de ficção do diretor José Padilha (“Ônibus 174”) não ficou por aí, e o motivo tem nome e patente: Capitão Nascimento. A filosofia do protagonista vivido por Wagner Moura é a de atirar pra matar primeiro e torturar depois para conseguir informações. Ele é o melhor membro do BOPE - Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar do Rio de Janeiro -, mas a rotina dura de conflitos em morros e ações que exigem muito tanto do corpo quanto da mente o estão afetando. A gravidez de sua mulher é o impulso final para que Nascimento busque um substituto. É aí que entram os novatos Neto (Caio Junqueira) e Matias (André Ramiro) como principais homens a sucederem o Capitão.

            Até a saída de Nascimento, no entanto, “Tropa de Elite” mostra, corajosamente, a falência do sistema de segurança brasileiro. Uma polícia que ganha algo entre dois e três salários mínimos para combater o crime cada vez mais organizado e armado. Instituição essa que funciona caoticamente - se é que pode-se dizer que funciona – e é repudiada até mesmo por sua elite. A certa altura o capitão explica que na teoria o BOPE faz parte da PM, mas nas ruas a ralidade é outra. Segundo ele, a polícia comum não está preparada para as batalhas que eles enfrentam diariamente nas favelas dominadas pelos traficantes.

 

            Por ser encabeçado por um torturador, tocar num tema delicado e mostrar de maneira crua uma face triste da guerra contra o tráfico, a película foi tratada como a mais importante do ano no cinema nacional, gerando teses e estudos. Não à toa, a partir de seu sucesso entre o público é possível notar o esgotamento da população em relação a medidas cautelosas e ineficazes contra o crime nos grandes centros urbanos.

 

            Violento não só ao mostrar suspeitos sendo sufocados em sacos plásticos, mas também na maneira como trata a história naturalmente pesada, “Tropa de Elite” ainda é tecnicamente muito bem acabado, com boa direção de arte e edição primorosa. Wagner Moura vem como ingrediente principal dessa mistura explosiva que ainda reserva um bom humor invejável.

 

Nota: 9

Uma Mais

"Hellraiser" (1987)

Terror clássico dos anos 1980 de Clive Barker.

Pinhead, seu protagonista, é um dos ícones do cinema de terror.

Alexandre Bustillo e Julien Maury escrevem e dirigem uma reinvenção do filme.

Música Cinéfila - 100

Como prometido, aqui está o post que marca a canção de número 100 da rádio Música Cinéfila. Com "Also Sprach Zarathustra", de Richard Strauss, famoso tema de "2001 - Uma Odisséia no Espaço", você tem agora uma centena de músicas para apreciar aqui no Cinefilia.

Com menos de um mês de criação, me orgulho da Música Cinéfila. Nela procuro pôr materiais de qualidade, associados a filmes conhecidos. Espero estar bem nessa empreitada (caso não, me avisem!).

Nos últimos dias, passaram a figurar na programação "Baby Did a Bad Bad Thing", de Chris Isaak, tirada do longa "De Olhos Bem Fechados", "Bitch", de Maredith Brooks, da trilha "Do Que as Mulheres Gostam" e a indicada ao Oscar "I've Seen It All", parceria de Björk e Thom Yorke para "Dançando no Escuro". Falando no vocalista do Radiohead, o grupo também aparece na bela "No Surprises", de grande destaque no filme "Albergue Espanhol".

E tem mais coisas de Frank Sinatra, The Beatles, Pretenders, Damien Rice e duas de Marvin Gaye, além de Robin Williams sotando o gogó em "A Mi Manera", versão hilária em espanhol de "My Way" para "Happy Feet - O Pingüim".

E que venha outra centena!

Resumo da Semana

Além de "Tropa de Elite" no cinema, semana de apenas um filme:

"Sonho Checo" (Ceský Sen, 2004). De Vít Klusák e Filip Remunda

Documentário feito como conclusão de curso da escola de cinema de Klusák e Remunda. Eles elaboram uma campanha de marketing esmagadora para um supermercado que não será construído e filmam tudo: da contratação da empresa de publicidade à sua transformação em "empresários de sucesso" e questionam a entrada do capitalismo na República Checa após 1989. Mostram o pior do consumismo e têm nas mãos uma grande polêmica: estariam botando o dedo na ferida ou apenas se auto-promovendo com o estardalhaço gerado pelo seu filme? É ver e tirar sua conclusão. Inédito nos cinemas brasileiros. Nota: 8

Além 10

Chego à 10º crítica republicada no Cinema e Vídeo: "O Ultimato Bourne". Confiram.

[ ver mensagens anteriores ]



Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, UBERLANDIA, Homem